domingo, setembro 25, 2005

Lula lá! Brilha uma estrala.....Só sendo ignorante mesmo...

Vendo celular que tira foto...heheheh muito besta!

Matemática realista....

Se você souber de algum lugar com vagas...



domingo, setembro 11, 2005

Será?

terça-feira, setembro 06, 2005

E- Books

A MAIORIA DOS E-BOOK
ESTÃO EM FORMATO PDF
Portanto baixe o Acrobat
Reader
mais recente para ler.
CURSO DE LEITURA DINÂMICA
Olha pessoal, já fiz um curso similar, é muito bom. Não treinei muito e consegui triplicar a minha velocidade de leitura.
Mas é claro que essas escolas exageram. Afinal eles querem é lucrar!Entretanto se você apenas dobrar seu tempo de leitura, vai ler na metade do tempo, e isso no mínimo é muito fácil de se conseguir. Não tem nada de milagroso é treino mesmo. Tem umas manhas também.
Divirtam-se
CURSO DE HIPNOSE
Se você tem curiosidade de saber como funciona essa técnica, taí uma boa pedida. Tem muita coisa interessante.
(Esse pode ser lido no Word)
APRENDER A ESTUDAR
«Os alunos não sabem estudar!»—ouve-se, com frequência, nas nossas escolas. Mostra a experiência que muitos estudantes, apesar da sua capacidade e do seu esforço, acabam por ter insucesso, pois trabalham sem método ou com métodos inadequados. Como qualquer outra actividade humana, o estudo exige o domínio de técnicas especificas. Sem elas, o esforço é ineficaz. Daí a necessidade de aprender a estudar. Este manual prático de métodos e técnicas de estudo visa ajudar o jovem a criar hábitos de trabalho, individual e em grupo, e surge dentro do espirito reformador da Lei de Bases do Sistema Educativo. Na sua elaboração, fugimos, propositadamente, às explicações mais teóricas. Que os académicos perdoem o atrevimento! Apresentamos regras gerais orientadoras que deverão ser adaptadas consoante as capacidades do estudante, os objectivos, o tempo disponível e o tipo de disciplina. Nenhum método é ideal para todas as pessoas. Este guia é dirigido, em primeiro lugar, aos estudantes, sobretudo do ensino secundário, interessados em melhorar a eficiência do seu trabalho. É dirigido também aos pais preocupados com o rendimento escolar dos seus filhos e aos professores empenhados em facilitar a aprendizagem aos seus alunos.

Mp3

(Clique na imagem )
Compositor alemão, passou a maior parte de sua vida na Inglaterra. É tido como um dos pontos altos da música barroca. Uma das grandes contribuições do barroco à história da música foi a ópera, música que apresenta um enredo de tema livre, encenado, servindo-se de solistas, coros, recitativos, árias ... Pertencente ao gênero musical, oratório, o Messias é o correspondente sacro da ópera, mas com a limitação de não ser encenado. O tema é necessariamente sacro, retirado da Bíblia, contando a história de santos, desenvolvendo pensamentos relacionados à Sagrada Escritura.
Este é um dos mais importantes oratórios de Handel e aborda aspectos da vida e sobretudo da missão de Cristo, o Messias. A obra completa já foi apresentada pelo Coro Sinfônico Comunitário da UnB dividida em três partes: a promessa messiânica, a passagem de Cristo na Terra e a realização das promessas do Messias. Neste concerto teremos a seleção das partes natalinas da obra. A importância do tema, a profundidade da música, a riqueza de inspiração, a maestria da composição - fazem do Messias, esse oratório de mais de 200 anos, comprovadamente o Oratório mais interpretado em nossos dias.
Sobre o conhecido Halleluya - : aleluia, porque Deus, o Senhor, reina, Aleluia! O reino do mundo foi transformado no Reino do Senhor e de seu Cristo, e Ele reinará eternamente, Aleluia! Rei dos reis, Deus dos deuses, Ele reinará eternamente, Aleluia! Este texto do Apocalipse de São João ecoa a todo momento, nas mais diversas ocasiões, cumprindo um destino quase sempre sozinho. Num momento em que na Inglaterra lutava-se pelo alijamento da ópera italiana, a dedicação de Handel aos textos bíblicos, num trabalho que deu origem a extensos oratórios, transformou-se num grande achado e aí reside, mais do que em quaisquer outros gêneros aos quais o grande compositor tenha dedicado boa parte de sua vida, a razão de sua continuidade e consagração. Além disso, além das belíssimas árias e trechos orquestrais, os corais fugatos ou os simples imitativos representam momentos muito altos dentro da arte vocal barroca. Dentre esses grandes corais, o Halleluyah tem recebido atenção especial, por sua empolgação, feliz ligação entre texto e música, e pela feliz interpretação de um trecho do Apocalipse.

Meus ídolos!

segunda-feira, setembro 05, 2005

Comentários...


É impressionante a ignorância do brasileiro... Nós mercemos o Lula, o Arthur Virgílio(Zé tremilique), o Sibá(homem letrado), o ACM e seu neto(menino de cabelo lambido que a mamãe penteou pra ir pra aula de Fonoaudiologia),a Heloísa Helena (Demagoga hipócrita pigarrenta), pergunta a ela de onde veio o dinheiro da campanha?! Vai me dizer que foi das economias da vovó?!
Tenha paciência... Só fazendo piada mesmo...

Olá!



Olá, divirtam-se no meu blog!






Blog este dedicado aos "TUPÍS" (Daniel, Guito-Guitola, Dudú, José Edson(Kiko), e em honra a Édio Souza, que é o nosso Patrono.
E muito especialmente "in memorian" ao incrível "Zé Pereira" que nos faz tanta falta nesse mundo, mas que guia as régias de Manulêgo, com todo o carinho a partir da eternidade. Saudades Zé...



Comentário de um de nossos ilustres Colaboradores...

"Manulêgo,

Você foi o ídolo de toda minha infância. Quantas vezes morri de inveja ao ver sua habilidade no trato com as mulas... Seu charme, sua cultura, seu relincho agradável... Qualidades que só um jegue carismático, viajado e cultor das letras, como você, tem. Saiba que, a cada dia, tento ser 1/100 do que você é, porém sei ser isso impossível, pois você é único. Ah sim, já ia esquecendo de dizer: assisti a sua entrevista no "Roda Viva". Achei interessantíssimo o parecer que você deu sobre a situação política do país e a relação feita desta com a conjuntura política internacional. Simplesmente genial! "

Grande abraço do amigo e admirador,
Jeguito Manguá

MP3 - Um pouco de cultura...



Requiem de Fauré (Clique na foto)

GABRIEL FAURÉ (1845 - 1926) , professor de Maurice Ravel, forma com este com Claude Debussy o grupo que marcou impressionismo musical francês. Fauré obteve seu treinamento musical na Escola Niedermeyer (1854-65) como organista e regente coral, sendo influenciado por St. Saens e seu círculo enquanto trabalhava como organista na igreja. Ele conheceu Liszt e foi fascinado pela música de Wagner, porém procurou desenvolver um estilo de composição bem distinto. Em 1896 se tornou professor de composição musical no Conservatório de Paris, onde teve como discípulos compositores tais como: Ravel, Koechlin, Roger-Ducasse, Enescu e Nadia Boulanger. De 1905 a 1920 ele foi diretor do conservatório dos mais influentes e resolutos.
Requiem Fauré perdeu sua mãe em 1887 e este talvez tenha sido o motivo inspirador do seu REQUIEM, que até 1900 teve três diferentes versões.
Diferentes das outras missas que se servem de textos sempre iguais (Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus, Agnus) o Requiem é uma missa que usa partes de próprias das missas dos defuntos. Requiem, aliás, é a primeira palavra de oração de introdução: Requiem aeternam dina eis, Domine (O descanso eterno dai-lhes, Senhor).
Esse texto próprio sobretudo quando menciona os terríveis dias do Juízo Final, foi usado patética e bombasticamente pela maioria dos compositores, refletindo um pouco da concepção religiosa de cada época.
Diferente de Fauré - 1902 ele teria dito que “ a morte não é um acontecimento doloroso, mas uma benvinda libertação, uma procura pelo além”. Seu Requieim é o reflexo de uma serena paz, que é o que significa a parala Requiem (descanso).
Fauré, que era organista, teria também manifestado que : “ em todos os meus anos toquei tantas vezes ao órgão celebrações fúnebres, que já conheço tudo de cor. Queria compor algo diferente”...